Saudade

Incrédula partícula devastadora
Que penetra em meu peito,
Que molha a alma despida,
Que acaba com o sumo da vida,
E nos mergulha na escuridão.
Película carregada de átomos
Que agita com energia,
Depondo a fantasia
De seu mais alto degrau.
Débil molécula indestrutível,
Que faz inerte a sabedoria,
Que sacia sua sede de sangue,
Que parte como um bumerangue,
E retorna na mesma direção.
Mórbida paralisia angustiante,
Falsa poesia ultrajada,
Despencando pela escada
De seu belo ministral.
Estúpida corrosão ácida
Que apodrece nossa carne,
Que deturpa a verdade,
Nos condena à ansiedade
E nos enlouquece o pudor.
Saudade...
Ah! Imensurável saudade
Que mutila
E me esfarrapa!

Sedução

Nivaldo Donizeti Mossato - Todos os direitos reservados