Sedução

Cúpula que maltrata,
Verme que alucina,
Pedaço de menina
Que me seduz.
Plácida ilusão
Que o meu peito corrói.
Curvas delicadas,
Desculpas esfarrapadas
De palavras angelicais.
Pobre inocente, perdido
Em pensamentos banais.
Imagem de algo esquecido,
Acolhido no portal da vida.
Súplica de um corpo ardente
Que faz a alma da gente
Perder-se em temporal.
Réplica de um pesadelo,
Onde o vento sepulta
Desejos liberais.
Coincidências de vontades,
Necessidades de carinho,
Coisas quase sem nexo,
Que agitam nosso sexo
E nos fazem sussurrar:
Sedução, quase pesadelo,
Que encanta mil fantasias;
Ensejos contidos no escuro,
Do outro lado do muro,
Onde vamos nos encontrar.

Sedução

Nivaldo Donizeti Mossato - Todos os direitos reservados