Literatura

Sílvia Flor de Trento

(Tributo a Chiara Lubich)



Oh! Longínqua Trento.
Levantai-vos de vossas cinzas.
Não mais há bombardeios,
Nem rugem as devassas metralhadoras.
As sirenes se calaram,
Tão quanto se calaram
As vozes do teu povo.

Levantai-vos, oh! Trento.
Sob seus escombros
De aço e cimento
As luzes se acendem,
Os olhos se abrem,
E uma Sílvia Flor desponta!

Levantai-vos, oh! Trento.
Há uma nova estrela
Em teu céu cinzento.
Abri-vos os olhos,
E olhai com vossos corações:
Uma nova Fênix alça vôo
Por sobre vossas colinas.

Levantai-vos, oh! Trento.
Não mais há razões
Para teu sono profundo:
Mais forte que teu choro
E teu lamento,
É o bálsamo
Do sangue de seu rebento,
Que hoje jorra
Sobre as chagas deste mundo!

Nivaldo Donizeti Mossato

Os artigos aqui postados são de inteira responsabilidade dos seus autores.

Artigos

Poesias

Pensamentos

Textos

Nivaldo Donizeti Mossato - Todos os direitos reservados