Frenesi

Corpos nus
Usando capuz,
Em suas faces rosadas,
Suavam-se em delírios
Em campos de lírios,
Sob o perfume da flor.
Amavam-se como nunca,
Sonhavam como poucos,
Em seus desejos mais loucos,
Num frenesi
De fantasias e alucinações.
E ao findar o sonho
Viram-se numa cama tão limpa,
Com as almas tão sujas,
As vestes em lamas,
Brilhando nas chamas
De uma louca paixão.
E o branco lençol de cetim,
Que se fosse por mim,
Ali não estaria,
Registrava,
Com gotas de prazer,
A loucura de se ter,
O corpo de alguém.

Alguns Trechos

Nivaldo Donizeti Mossato - Todos os direitos reservados